Tudo o que você precisa saber sobre a esclerose múltipla

insert image
Tudo o que você precisa saber sobre a esclerose múltipla

A Esclerose Múltipla é uma doença que afeta milhares de brasileiros. A causa da doença ainda não é totalmente conhecida, mas sabe-se que existem fatores genéticos e ambientais que podem influenciar na sua manifestação. Ela resulta na eventual incapacidade do paciente, mas pode ser desacelerada com tratamento.


O que é Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica, crônica e autoimune – ou seja, as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares.


A EM causa um processo inflamatório, que atinge diversas partes do sistema nervoso central, ocasionando sintomas diversos, dependendo da área acometida. 

 

É uma doença que, quando não tratada, tem como características principais a disseminação no tempo, ou seja, a pessoa apresenta sintomas de piora em diferentes momentos da vida e apresenta inflamações atingindo diferentes áreas do cérebro e medula espinhal.


Tipos de Esclerose Múltipla


A Esclerose Múltipla têm duas formas clínicas iniciais de apresentação. 


  • Remitente-recorrente: corresponde a cerca de 85% dos casos, na qual a pessoa apresenta um surto que pode se manifestar por algum período de tempo, apresentando melhora completa ou parcial, seguido por um período de remissão em que o paciente não apresenta novos sintomas.

  • Primariamente progressiva: ocorre acúmulo de incapacidade lenta e contínua desde o início dos sintomas.


Sintomas

A Esclerose Múltipla pode causar diversos sintomas neurológicos. Os sintomas mais comuns são:

  • Alterações na visão

  • Fadiga

  • Falta de equilibrio

  • Descordenação 

  • Desorientação

  • Tontura

  • Dificuldade para andar

  • Lentidão para entender algumas coisas

Como diagnosticar precocemente

O diagnóstico precoce é importante para a desaceleração da doença. A qualquer sinal ou suspeita deve-se procurar, imediatamente, um neurologista.


Ainda não existe ainda um exame específico que possa identificar a doença de forma direta. Assim, seu diagnóstico baseia-se na análise em conjunto dos sinais e sintomas apresentados pelo paciente, somado a análise de exames laboratoriais e de imagem.

Tratamentos

A Esclerose Múltipla não tem cura, mas existem tratamentos para atenuar os sintomas e desacelerar a progressão da doença.


O tratamento se dá, principalmente, por medicações orais e injetáveis, como a Betainterferona, Cladribina e Fingolimode. Estímulos motores e cognitivos também podem ajudar a medida que o paciente for perdendo habilidades.



Precisa de um serviço de home care de confiança e qualidade? Fale com a gente!

 

Confira mais conteúdos no nosso Instagram!




Confira outras matérias

insert image